Grande - Cidade
Mobile - Cidade

Dilma Rousseff completa 70 anos nesta quinta-feira

Nascida em Belo Horizonte (MG) no dia 14 de dezembro de 1947, a ex-presidente Dilma Rousseff completa 70 anos nesta quinta-feira (14). A ex-presidente, que nos últimos meses vem se dedicando a movimentos sociais e políticos, ensaia seu retorno à Brasília e deve concorrer a uma vaga ao Senado Federal em 2018.

Entre os políticos que parabenizaram Dilma nas redes sociais, estão a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB) e o ex-governador da Bahia e ex-ministro Jaques Wagner.

A notícia continua após a publicidade

Grande - Qi

A notícia continua após a publicidade

Mobile - Cidade

“70 anos de luta! Enverga, mas não quebra, como toda mulher de fibra! Parabéns!”, registrou Jandira Feghali.

“A presidenta legítima do Brasil completa hoje 70 anos. São sete décadas combatendo o bom combate, lutando por mais igualdade, justiça social e democracia. Mulher de garra, de fibra, você será para sempre lembrada por sua honestidade, por seus valores e por sua dignidade. Uma mulher que nunca recuou e nunca se abateu mesmo tendo sido vítima de uma das maiores injustiças de nossa História. Ontem, hoje e para sempre nosso #CoraçãoValente! Parabéns, Dilma!”, afirmou Jaques Wagner.

Dilma teve seu mandato cassado definitivamente em agosto de 2016, em um processo de impeachment que teve início em maio do ano passado. A destituição é ainda hoje questionada por entidades brasileiras e internacionais, pelos interesses que tornaram-se evidentes após a saída da então presidente e pela condução do processo.

Entre as polêmicas surgidas na esteira do impeachment, estão a conversa gravada pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado em que o atual líder do governo de Michel Temer no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), fala de um “grande acordo nacional” e da necessidade de retirar Dilma Rousseff do poder para “estancar a sangria”, em referência a interromper as investigações da Operação Lava Jato que estavam chegando à cúpula do PMDB.

Condutor do processo de impeachment no Congresso Nacional, o ex-deputado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), atualmente preso em Curitiba (PR), foi diversas vezes acusado de manter interesses escusos para que a cassação de Dilma fosse levado a cabo. Recentemente, um dos principais aliados de Cunha, o doleiro Lúcio Funaro, afirmou ao Ministério Público que repassou R$ 1 milhão a Cunha para que o então presidente da Câmara comprasse votos de parlamentares para aprovar o impeachment.

 

Fonte: Jornal do Brasil


Grande - Cidade
Mobile - Política



Você também vai gostar Mais deste autor

Comentário

Carregando...
Rodapé - Qi
Mobile - Qi